Enersugar Bioenergia
Etanol segue competitivo em quatro Estados, mesmo após corte linear de ICMS

05/07/2022

Etanol segue competitivo em quatro Estados, mesmo após corte linear de ICMS

O preço mais vantajoso do etanol em comparação à gasolina é no Estado de São Paulo

 

etanol hidratado (que abastece diretamente os tanques) seguiu competitivo em relação à gasolina nos postos de quatro grandes centros consumidores na última semana, apesar da redução linear de impostos que boa parte dos Estados já começou a implementar. Os preços do etanol ficaram abaixo de 70% do valor da gasolina em São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso, de acordo com levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) realizado na semana até dia 2.

Com uma correlação abaixo de 70%, o biocombustível fica economicamente mais vantajoso para boa parte da frota flex brasileira. O etanol vem se mantendo vantajoso nesses Estados há pelo menos um mês.

Na última semana, os preços do etanol caíram em 21 Estados e no Distrito Federal e subiram em cinco unidades federativas. Já a gasolina recuou nos postos das 27 unidades federativas.

Em São Paulo, que responde por metade do consumo nacional de combustíveis e que reduziu o ICMS dos combustíveis há duas semanas, os preços do etanol aos motoristas recuaram 2,98%, a R$ 4,392 o litro. Nesse valor, o biocombustível ficou em 66% do valor da gasolina, oferecendo grande vantagem para os motoristas.

Em Minas Gerais, que também reduziu o ICMS na última semana, o etanol caiu 2,16% nas bombas e ficou em 66% do valor da gasolina. Em Goiás, outro Estado que reduziu o imposto, o etanol caiu 4,35% e ficou em 65% do valor do combustível fóssil.

etanol caiu também em Mato Grosso, que ainda não anunciou redução de imposto. A queda na semana foi de 6,25%, para R$ 4,212 o litro --- valor que corresponde a 61% do preço da gasolina, a correlação mais vantajosa para o etanol em todo o país. O Estado é beneficiado pelo excedente de oferta de etanol feito a partir do milho.

Fonte: Valor Econômico
Texto extraído do boletim SCA